Skip navigation

Monthly Archives: Abril 2009

 

 

 

 

Confesso que não sou fã de Amália… Mas, este poema cantado na voz sublime de Sónia Tavares (vocalista de uma banda que adoro – The Gift) causa-me arrepios! No bom sentido…

Começando pelo objecto, metafórico mas não menos efectivo, a que se dedica a canção, que se dirige a uma gaivota, passando por olhares, aspirações e amores, este poema é um relato emocionado de alguém que deseja…

Exactamente o que sinto quando vejo uma gaivota a voar!

Desejo segui-la como o meu olhar, até ao último círculo do seu voo. Delicia-me o som das suas asas levantando da areia. O planar silencioso que faz no mar, causa-me um desejo ardente de nascer outra vez…

Desejo… Só por desejar!

Não!

Desejo, porque há limites a chegar, porque há metas a conquistar, porque há sonhos a cumprir!

Desejo que o amanhã chegue agora, e que o futuro seja já! Agora, não me interesso por preâmbulos, inícios vagarosos ou previdentes. Agora desejo sorver o momento, o minuto e expectar o assombro…

Desejo uma gaivota no ombro, uma nota no bolso, um filho pela mão e o destino neste instante…

Porque amanhã é muito longe…

 

 

 

 

“…What I’ve felt, what I’ve known
Never shined through in what I’ve shown
Never be, never see
Won’t see what might have been…

 

 

vento1

 

 

…………

 

 

 

De repente do riso fez-se o pranto
silencioso e branco como a bruma
E das bocas unidas fez-se espuma
E das mãos espalmadas fez-se o espanto.

De repente da calma fez-se o vento
Que dos olhos desfez a última chama
E da paixão fez-se o pressentimento
E do momento imóvel fez-se o drama.

De repente, não mais que de repente
Fez-se de triste o que se fez amante
E de sozinho o que se fez contente.

Fez-se do amigo próximo o distante
Fez-se da vida uma aventura errante
De repente, não mais que de repente.

Vinicius de Moraes

 

Hey Tom
Do you know for how long I’ve been running to?
It’s time to go home
To rise the sun, to bring the truth
You want to make me cry
You want to watch me die
But you don’t have the strength
So come on, run with me
I wanna set you free
I need you to be strong

Somebody ask your name
It could be Jack or Jane
If you don’t have the clue
I’ll tell you what to do

Hey Tom
Do you know for how long am I loving you?
It’s time to move on
To give my heart to something new
I want to make you smile
I want to close your eyes
But I don’t have the strength
So come on, run with me
I wanna set you free
I need you to…

Tom and Jack and Jane in love
They haven’t enough in time to break
Jane and Jack and Tom will back
You hope you’re strong to forget
Jack and Tom I’ll make you strong
Tom and Jane where is your strength
Leave me, feed me, love me, want me
Take me to another place

Somebody ask your name
It could be Jack or Jane
If you don’t have the clue
I’ll tell you what to do

Somebody ask your name
It could be Jack or Jane
If you don’t have the clue
I’ll tell you what to do