Skip navigation

Category Archives: Sem palavras

 

“Duas coisas são infinitas: o universo e a estupidez humana. Mas, no que respeita ao universo, ainda não adquiri a certeza absoluta”  Albert Einstein

Anúncios

Pintura de Salvador Dali, editada a preto e branco

 

” “Vem por aqui” — dizem-me alguns com os olhos doces
Estendendo-me os braços, e seguros
De que seria bom que eu os ouvisse
Quando me dizem: “vem por aqui!”
Eu olho-os com olhos lassos,
(Há, nos olhos meus, ironias e cansaços)
E cruzo os braços,
E nunca vou por ali…
A minha glória é esta:
Criar desumanidades!
Não acompanhar ninguém.
— Que eu vivo com o mesmo sem-vontade
Com que rasguei o ventre à minha mãe
Não, não vou por aí! Só vou por onde
Me levam meus próprios passos…
Se ao que busco saber nenhum de vós responde
Por que me repetis: “vem por aqui!”?

Prefiro escorregar nos becos lamacentos,
Redemoinhar aos ventos,
Como farrapos, arrastar os pés sangrentos,
A ir por aí…
Se vim ao mundo, foi
Só para desflorar florestas virgens,
E desenhar meus próprios pés na areia inexplorada!
O mais que faço não vale nada.

Como, pois, sereis vós
Que me dareis impulsos, ferramentas e coragem
Para eu derrubar os meus obstáculos?…
Corre, nas vossas veias, sangue velho dos avós,
E vós amais o que é fácil!
Eu amo o Longe e a Miragem,
Amo os abismos, as torrentes, os desertos…

Ide! Tendes estradas,
Tendes jardins, tendes canteiros,
Tendes pátria, tendes tetos,
E tendes regras, e tratados, e filósofos, e sábios…
Eu tenho a minha Loucura !
Levanto-a, como um facho, a arder na noite escura,
E sinto espuma, e sangue, e cânticos nos lábios…
Deus e o Diabo é que guiam, mais ninguém!
Todos tiveram pai, todos tiveram mãe;
Mas eu, que nunca principio nem acabo,
Nasci do amor que há entre Deus e o Diabo.

Ah, que ninguém me dê piedosas intenções,
Ninguém me peça definições!
Ninguém me diga: “vem por aqui”!
A minha vida é um vendaval que se soltou,
É uma onda que se alevantou,
É um átomo a mais que se animou…
Não sei por onde vou,
Não sei para onde vou
Sei que não vou por aí!”

José Régio

boca do inferno

 

tem boca!  E existe! Aqui na terra! É o limite…

 

duvida 

 

Isto  é ou não é discriminação flagrante e abusiva?

“A exclusão é sempre por comportamento de risco, nunca por grupo de risco…” 

 Hum… Será mesmo? É que depois de ler tudo, tive  dúvidas se o senhor não estará  baralho…

Novo Apresentação do Microsoft Office PowerPointII

 

Recentemente, vi uma reportagem numa televisão nacional, a propósito de um “estudo”para verificar a necessidade de se criarem centros de cuidados paliativos para crianças. Os entrevistados, (especialistas de pediatria em várias valências) uniram vozes para deixar claro, que assim como nos adultos, há crianças com doenças raras, genéticas e/ou degenerativas, que merecem e devem receber cuidados suplementares, prestados por equipas multi-disciplinares, que lhes faculte alguma qualidade de vida e o controlo da dor, (porque muitos deles têm dor agonizante) enquanto lutam pela vida…

Até que, a/o jornalista afirma que o director clínico do Hospital Pediátrico de Coimbra (cujos funcionários, na sua maioria, merecem todo o meu respeito) se escusou de dar entrevista, não deixando porém, de dizer o seguinte;” Não vejo necessidade de cuidados paliativos para crianças, pois estas, ou curam-se ou morrem”.

Ora eu, que fiquei estarrecida a olhar para a televisão, acho que depois disto, afirmado por alguém que gere um hospital pediátrico, cujo interesse maior deve ser o empenho e esmero nos cuidados e tratamentos prestados aos utentes, fico confusa… Não sei me apetece despoletar a minha melhor(pior) faceta de psicopata, se me apetece fugir… Mixed feelings…

Aparentemente, para este senhor, se a criança não se cura nem morre, deve ser ignorada… azar o dela… Nada de meio-termo! Nada de desempenhar o nosso papel de cidadãos e/ou governo e utilizar o dinheiro que pagamos de impostos da melhor forma! Nada disso! Deve ser sujeita á nossa (deles, dos que pensam de igual forma) indiferença e aguardar pacientemente, pois claro, que a morte a acerque, depois de ter sofrido, física e psicologicamente durante todo o penoso processo!

Se acreditasse  num Deus todo-poderoso, diria: Ele castiga! E castigar-te-á cá na terra!

Não é uma previsão, é um desejo!